Buscar

O mercado de trabalho e a Covid-19

A pandemia global do coronavírus (Covid-19) gerou impactos econômicos e sociais sem precedentes, tirando milhares de pessoas de seus trabalhos, fossem formais ou informais, afetando sua subsistência e seu bem-estar. Além disso, escancarou as condições (muitas vezes precárias) dos trabalhadores informais e daqueles denominados ‘invisíveis’, colocou muitos a exercerem obrigatoriamente seu ofício em home office e outros sem escolha, a continuar trabalhando para atender àqueles que ficaram em casa (#fiqueemcasa).

O isolamento levou as pessoas a avaliarem suas vidas, suas relações com a família, com a empresa e com sua atividade. O trabalho remoto, à distância, em casa, cheio de regras, passou a ser necessário e imprescindível para que muitas empresas continuassem a operar com a grata surpresa das pessoas se sentirem mais produtivas, conseguindo sem grandes problemas, conciliar a vida profissional e doméstica. Os limites entre as questões profissionais e pessoais, tão difíceis de administrar, foram rapidamente deixados de lado.

“Matar um leão por dia” sempre foi tarefa da maioria das pessoas, entretanto nos últimos meses foram vários leões e várias batalhas a serem vencidas diariamente. A convivência com o vírus é real e essa realidade deve ser encarada com coragem.

Logo, como se preparar para o que vem “por aí”, para a nova formatação do trabalho ou mesmo para a velha, porém remodelada?

Com o confinamento e o distanciamento social, os espaços de trabalho, sua estruturação e o comportamento das pessoas se transformaram. Para que as atividades fossem realizadas de forma colaborativa, foi essencial definir e aperfeiçoar os meios de trabalho como sistemas de informação, equipamentos e instalações e principalmente a comunicação.

A partir de agora, é necessário reconhecer as novas oportunidades e as tendências do cenário profissional:

  • “Qual será o comportamento do mercado de trabalho após a pandemia?

  • Quais profissões e habilidades tendem a crescer e quais entrarão em declínio?”

É notório que as empresas terão que inovar em tecnologias, na comunicação com o mercado e sua relação com seus empregados e parceiros. O planejamento será uma habilidade incontestável dos gestores, que deverão se preparar para qualquer que seja o enfrentamento, o que deveria ocorrer sempre e que hoje mais do que nunca é imprescindível.

Os chamados ‘profissionais híbridos’ que conciliam experiência em gestão de negócios e capacidade tecnológica se consolidarão mais rapidamente, porque acredita-se que têm mais chances de transpor os desafios de uma crise, seja ela qual for.

Três são as áreas de trabalho que tendem a crescer pós-pandemia: tecnologia, finanças e saúde. Segundo estudiosos, a primeira já está em alta há muito tempo, profissionais em cibersegurança, especialistas em nuvem estarão no auge. A financeira tão necessária a qualquer empresa deve ganhar mais espaço, com atividades como planejamento financeiro e gerenciamento de capital. A área da saúde deverá se robustecer com os hospitais e laboratórios contratando para diversas profissões, a fim de compor suas equipes, considerando que os efeitos da pandemia permanecerão por algum tempo.

Vale destacar que o cliente tornar-se-á mais importante do que nunca e desenvolver novos negócios, adequados às suas necessidades e desejos, fará toda a diferença, ou seja, mais um caminho a ser considerado pelos profissionais, empreendedores e trabalhadores em geral.

Enfim, reconhecer suas capacidades e habilidades, no que serão úteis e, focar-se no seu desenvolvimento pessoal e profissional é a chave para que você atinja o sucesso tão almejado.

Siga em frente, o mundo é cheio de oportunidades. Aproveite!



Por: Magali Maldonado


Posts recentes

Ver tudo